terça-feira, 28 de março de 2017

MOVIMENTAÇÕES SUSPEITAS NO ESPAÇO AÉREO DE JAGUARI E SÃO VICENTE DO SUL...


FAZENDA MISTERIOSA EM JAGUARI (RS)

O filho do "dono" ocupa um importante cargo no Grupo OI. Ocupa um cargo da Portugal Telecom. O o filho do fazendeiro ou ex-fazendeiro reside em Goiânia. O rapaz está sempre viajando para Portugal. O salário dele ultrapassa os R$ 120 mil mensais.

A Andrade Gutierrez é sócia majoritária da OI...

A OI é uma das sócias da Portugal Telecom...

O Lulinha gostava de churrascadas em Jaguari...

O Lulinha é amigo do filho do fazendeiro ou ex-fazendeiro de Jaguari...

A sede da Fazenda fica em Jaguari...

São 8 mil hectares que ficam em Jaguari e São Vicente do Sul...

O Helicóptero trazendo Lulinha para churrascadas era frequente em Jaguari...

Tem Frigorífico Líder na jogada...

Tem laranja na jogada...

Tem boi na linha...

Tem lavagem de dinheiro...

Quem é o verdadeiro dono daqueles 8 mil hectares em Jaguari/São Vicente do Sul???


A polêmica novela da Oi, da sua criação à dívida de R$ 65 bi

Companhia tem uma trajetória conturbada desde sua origem; relembre os fatos

Como uma das maiores operadoras do mundo, a quarta maior do país, com um faturamento bilionário e milhões de clientes consegue acumular R$ 65,4 bilhões em dívidas e entrar em recuperação judicial por não conseguir quitá-las?

Essa é a pergunta que ecoa no mercado de telefonia hoje – e na cabeça de clientes da Oi que nem sabem se terão seus celulares funcionando nos próximos meses ou não.

A situação da companhia se agravou bastante nos últimos meses, mas o impasse sobre seu futuro já era notícia há anos. A polêmica é personagem assídua de sua história.


ORIGEM

A origem da Oi começa com a privatização da Telebras, em 1998, a maior da década, quando foi arrecadado R$ 22 bilhões com a venda de ações da holding que reunia as telecom estatais.

Esse negócio resultou, entre outras companhias, na futura Oi, na época Telemar Norte; e na BrasilTelecom, criada com a compra da Tele Centro Sul do governo por R$ 2 bilhões por meio da Invitel, uma parceria entre o Citigroup, o banco de investimento Opportunity Brasil e fundos de pensão.

Dez anos depois, a Oi comprou a BrT por R$ 5,8 bilhões, considerado um dos maiores negócios do setor – não só pelo valor envolvido, mas pela dimensão das empresas.

O acordo tinha de passar por uma série de limitações práticas, já que a legislação brasileira impedia que duas concessionárias de telefonia fixa tivessem o mesmo controlador.

Para mudar a lei era preciso um decreto presidencial – que aconteceu com a mudança no Plano Geral de Outorgas. A promessa do governo federal era da criação de uma supertele.

A fusão entre Oi e BrT criou uma operadora de receita bruta anual de R$ 41 bilhões, 22 milhões de telefones fixos e quase 30 milhões de celulares.

E também uma das empresas de maior polêmica no país, pelo investimento público envolvido no negócio, que tinha como sócios majoritários grandes corporações privados.

No total, os bancos entraram com um financiamento de R$ 6,8 bilhões, em um negócio estimado em R$ 12,5 bilhões. Do montante, R$ 2,5 bilhões veio do BNDES e outros R$ 4,3 bilhões do Banco do Brasil, além de R$ 3 bilhões provenientes de fundos de pensão.

Ainda assim, a maior parte das ações ficou com Andrade Gutierrez, de Sérgio Andrade, e a La Fonte, de Carlos Jereissati (onde tem forte amizade com um político de Pelotas).

O processo de anuência prévia da BrOi, como foi apelidado o negócio na época, foi o mais rápido da história da Anatel, com duração de 27 dias.

Depois de dois anos, a compra foi plenamente aprovada pelo Cade, com restrições às ofertas de produtos e investimentos de infraestrutura de expansão de rede.

Em 2010 foi a vez da Portugal Telecom entrar na novela com participação especial de acionistas e governos. A operadora portuguesa queria vender a participação que detinha na Vivo para a Telefonica, no intuito de comprar 23% da Oi.

Depois de muitas trocas de farpas e ameaças, a companhia espanhola estava perto de fechar o negócio por 7,15 bilhões de euros, quando Portugal interveio com uma golden share, seu poder de veto na negociação.

Depois da União Europeia considerar injustificável o uso do impedimento pelo governo português e das partes fecharem as negociações, a Portugal Telecom comprou 23,6% da Oi por cerca de R$ 9 bilhões, em julho de 2010. Um aumento de participação foi deito tempos depois.

Vale lembrar que, por consequência, a Telefonica comprou 50% da Brasilcel – correspondente à participação da PT – e obteve o controle da Vivo por R$ 18,2 bilhões, no mesmo ano.

QUEM DEVE MAIS DE 60 BILHÕES ESTÁ QUEBRADA!!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário