quarta-feira, 12 de julho de 2017

Ex-deputado federal Jorge Uequed censura contratação da Vital Engenharia Ambiental. Uequed sabe das coisas!!!

Ex-deputado federal Jorge Uequed 

O experiente e sábio ex-parlamentar publicou  na sua página MOMENTO POLÍTICO um artigo esclarecedor sobre o recolhimento de lixo em Canoas, na edição 2763 de 30 de junho a 6 julho.

Leiam:

"Essa semana a empresa VITAL foi contratada emergencialmente para o serviço de recolhimento de lixo até a realização de licitação pública. Saiu a empresa Mecanicapina Limpeza Urbana sem deixar saudade alguma.

A Vital Engenharia Ambiental é uma empresa de Ildefonso Colares Filho, dono da Queiroz Galvão, que já foi preso pela Operação Lava Jato em agosto.

Nesta área de lixo, todo cuidado é pouco".

O experiente e sábio ex-deputado federal Jorge Uequed sabe o que escreve. Uequed foi um dos melhores deputados federais do RS.

O ex-parlamentar sabe que os dias da VITAL em Canoas estão contados.

O Blog IMPRENSALIVRERS acredita que o prefeito Busato e sua equipe vão antecipar a realização da licitação pública. O Blog acredita também que serão exigidos rigorosos atestados de idoneidade dos futuros concorrentes. Empresas que não tiverem um sério departamento de Compliance não deverão participar do certame licitatório.

O Blog IMPRENSALIVRERS tem absoluta certeza que o prefeito Busato não participou da "contratação" da VITAL...

A VITAL ENGENHARIA AMBIENTAL é a lavanderia, digo lixeira da Construtora Queiroz Galvão!!!

Ex-presidente da Queiroz Galvão sai da cadeia e vai para prisão domiciliar

Ildefonso Colares Filho foi diagnosticado com câncer e fará tratamento em SP.
Executivo estava detido desde o início de agosto, na 33ª fase da Lava Jato.



O ex-presidente da construtora Queiroz Galvão Ildefonso Colares Filho passou a cumprir prisão domiciliar após uma decisão judicial. O executivo foi preso em agosto deste ano, quando a Polícia Federal deflagrou a 33ª fase da Operação Lava Jato, batizada de "Resta Um".
A decisão para que ele deixasse a cadeia foi tomada no sábado (27), por um juiz plantonista. Ele deixou a cadeia no domingo (28). Nesta segunda-feira (29), o juiz federal Sérgio Moro ratificou a medida.
De acordo com a decisão de Moro, Ildefonso Colares Filho recebeu um diagnóstico de câncer. O juiz disse no despacho que o médico que avaliou o executivo necessita de uma cirurgia de urgência. O procedimento deverá ser realizado no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo.
Ainda conforme Moro, Ildefonso Colares Filho vai ter que usar tornozeleira eletrônica, mesmo no período em que estiver internado. O juiz também determinou que ele entregue o passaporte. Já os advogados do executivo terão que informar ao magistrado como está o processo de tratamento, para que a prisão domiciliar seja reavaliada.
A 33ª fase
Nesta fase, as investigações da Operação Lava Jato se voltaram para a Queiroz Galvão. A empresa é suspeita de formar cartel para fraudar contratos na Petrobras; pagar propina por meio de doação eleitoral e via caixa 2; corromper funcionários público e políticos; interferir na CPI da Petrobras e manter funcionários no exterior, longe da ação da Justiça brasileira.

A 33ª etapa foi batizada de "Resta Um" porque, segundo a Polícia Federal, a Queiroz Galvão era a última empreiteira que faltava na investigação sobre formação de cartel na Petrobras.

Esta é a segunda prisão de Ildefonso Colares Filho e Othon Zanoide de Moraes Filho em decorrência da Operação Lava Jato. Othon era o chefão da VITAL ENGENHARIA AMBIENTAL...

Em novembro de 2014, eles foram detidos na 7ª fase e soltos dias depois por determinação da Justiça.

Nenhum comentário:

Postar um comentário