quarta-feira, 19 de julho de 2017

Na Secretaria Municipal do Chorume e Esgoto a B.A. AMBIENTAL deita e rola. É tratada a pão-de-ló.


Olhem o que acontece com a B.A. AMBIENTAL no Pará. Dizem que a B.A. AMBIENTAL tem um sócio oculto. O sócio oculto é um senador da República com problemas no STF...

MPPA - MP aponta falta de documentos contábeis na ação de recuperação judicial da B.A. AMBIENTAL

Em manifestação judicial apresentada perante a 13ª Vara Cível da comarca de Belém, na Ação de Recuperação Judicial da empresa devedora B.A. AMBIENTAL LTDA., o Ministério Público Estadual do Pará requereu seja determinado, a juntada dos documentos e informações contábeis que faltam aos autos e sejam depositados em cartório os livros Diário e Razão.

"O apoio contábil da Promotoria de Justiça de Falência e Recuperação Judicial e Extrajudicial, ao analisar a documentação apensa aos autos, emitiu parecer que constatou a ausência dos documentos contábeis", explica o promotor de justiça Sávio Brabo.

Em relação ao pedido para que seja mantido por tempo indeterminado o contrato de PRESTAÇÃO DE SERVIÇO entre a empresa e a Prefeitura Municipal de Belém, o Ministério Público do Estado do Pará manifestou-se contrário pela existência de indícios de improbidade administrativa.

Os documentos constantes da ação revelaram que o representante legal da empresa, Jean de Jesus Nunes, desde janeiro de 2005 era Assessor Especial do prefeito municipal de Belém, Duciomar Gomes da Costa, conforme Diário Oficial. 

Jean foi exonerado da função em 1/5/2006 em ato publicado em 27/06/2006, mas constam nos autos que em 18/06/2016, adquiriu 80% do capital social da empresa devedora, que à época administrava o contrato administrativo nº 008/2004, cujo objetivo é a execução dos serviços de conservação urbana (lixo) da cidade de Belém. Após isso, conseguiu, através de DISPENSA DE LICITAÇÃO, firmar com o executivo municipal, outros contratos de prestação de serviço de coleta de lixo. "Assim, a relação pessoal e profissional do representante legal da devedora (B.A. AMBIENTAL) com o executivo municipal revela indícios de violação aos princípios da administração pública (legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência) previstos no art. 37 da Constituição Federal e, por conseguinte, da probidade administrativa que esta acima do princípio da preservação da empresa" explica o promotor.

Por isso, o Ministério Público do Pará manifestou-se contrário a manutenção do contrato de prestação de serviços.

Aqui na Secretaria Municipal do Chorume e Esgoto, o pessoal da B.A. AMBIENTAL é tratado a pão-de-ló, não é mesmo Ramiro 300 pila?

Será que o zeloso moralista Prefeito Marchezan Júnior sabe dos graves problemas da B.A. AMBIENTAL ou um conivente do esquema?

Atenção Rosário 300 pila e Marchezan.... Olha o que aconteceu com o ex-prefeito do Pará...

G1 Pará


20/04/2015 17h38 - Atualizado em 20/04/2015 18h22

MPF pede prisão do ex-prefeito de Belém Duciomar Costa

Ação foi motivada por conta do desvio de R$ 607 mil de recursos federais.
Advogado do ex-prefeito disse que ele já foi multado pela Justiça.

Um comentário:

  1. Quem manda na Secretaria não é o Rosário. Quem manda é uma tal de Paula Cassol, do MBL...

    ResponderExcluir